Jimmy

Deja un comentario

>é claro que naquele dia em que eu o vi sorrindo com os olhos brilhando eu não poderia imaginar o fim. mas o Chris acabou virando uma pessoa que eu não queria machucar, quando quem se machucava o tempo inteiro era eu.

todas as vezes em que eu fingia que entendia a sua forma de viver, eu mesmo me pegava pensando em tudo aquilo como sendo absurdo. eu não quero mais continuar porque amor não é tortura e viver com alguém não deve ser somente um exercício de tolerância. eu cansei de aguentar calado aquele conformismo mal justificado, a falta de independência, a falta de substância. eu preciso de alguém que eu possa admirar. eu preciso de alguém que acredite em algo e vá atrás. alguém que não pare e pense que a vida está OK só porque dá para puxar um pouco aqui e ali para se viver mais ou menos. eu o amei, mas amor não se sustenta sozinho. para o meu amor crescer, eu preciso admirar. e eu não tinha por que admirá-lo.
há meses eu já sabia que era esse o nosso grande impasse e acho que tentei puxar para mim o problema. afinal, ele é um doce, é lindo, é atencioso e eu não queria admitir que aos poucos eu já não sentia mais nada por ele ser como é. preferi tentar acreditar que eu estava novo demais para uma relação séria, preferi culpar as nossas diferenças e tantas outras coisas mais. na verdade eu só estava vendo que ele não era a pessoa que eu gostaria que ele fosse. mas isso dói muito, porque você sempre acredita que será a última vez que se apaixonou e que vai durar para sempre.
minha primeira crise com ele foi por este mesmo motivo. eu não tinha como ver nele algo que me fizesse pensar “Wow”. a sua forma de viver baseada no conformismo sempre me incomodou. talvez seja a coisa que mais me deixa incomodado. além disso tem o fato de ele ter 25 anos e pensar como se tivesse 17. eu adoro agir como um adolescente nas noites de sábado, mas sou um adulto de segunda a sexta. ele é um garoto bobinho e sem atitude própria o tempo inteiro. sem atitude, sem trabalho, sem nada que possa chamar de seu. acredita piamente que a vida é como mamãe e papai ensinam e, talvez sem saber por que, não consegue mudar. eu também não acho que ele deva mudar por mim e nem acredito que ele pode, mesmo se quiser. ninguém deixa de ser quem é. eu só não quero mais viver ao lado dele. não quero mais ficar sempre pensando em como fazer ele acordar, ir atrás de algo que lhe dê vivência, independência, atitude, enfim, coisas que para mim são tão importantes. e eu disse bem: importantes para mim. talvez para ele não sejam e por isso ele continua vivendo assim. como eu disse: ninguém deixa de ser quem é.
eu queria ainda acreditar em nós. queria segurar na mão dele e dizer “vamos ficar juntos. aconteça o que acontecer”. fizemos isso algumas vezes e funcionou. mas não adianta conversar e conversar se as coisas continuam iguais.
vou sentir falta dos seus beijos, da sua voz, da forma como ele me olhava. vou sentir falta de ficar deitado com a cabeça no seu colo nas tardes silenciosas. mas não adianta insistir em algo que não existe mais. acabou. eu o amei, eu sei que o amei, mas esse amor não resistiu quando o tempo me mostrou que ele não é quem eu quero ao meu lado.
Anuncios

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s